R$ 32,00

Título: A VOZ ANTILHANA
REGISTRADA POR INA CÉSAIRE:

desafios de tradução da oralitura em
Contes de nuits et de jours aux Antilles
Autora: Samanta Vitória Siqueira

ISBN : 978-85-94187-90-1
Formato: 14 x 21 cm.
Páginas: 88
Gênero: Ensaio
Publicação: Class, 2020

Para que se universalize, de fato, a universidade, torna-se necessária a apuração do processo de decolonização epistêmica onde o docente, em conjunto com o corpo discente, adota teorias, autores e perspectivas outras, não somente aquelas que historicamente foram consideradas passíveis de utilização como razão e método científico, onde os demais conhecimentos são tratados como “outros” e ocupam um espaço complementar analisados apenas de forma comparativa. Atualmente, teóricos e intelectuais vêm pensando em formas outras de produzir e divulgar o conhecimento de modo a contemplar o diálogo epistêmico, respeitando as verdades e as ciências de cada povo e cultura, articulando formas práticas de aplicação de tais conhecimentos no espaço acadêmico.
Na América Latina, vivemos em uma tentativa de redefinição cotidiana como sujeitos em luta pelo direito à vida e pela legitimidade de nossas formas de aprender e pensar. Neste âmbito, o Trabalho de Conclusão de Curso da Bacharela Samanta Vitória Siqueira se encaixa na perspectiva decolonial: através de uma proposta da então aluna de graduação na disciplina de Tradução do Francês I, que expressou o desejo de traduzir a transcrição de contos orais em créole e em língua francesa, este livro, além de apresentar ao público leitor brasileiro a etnóloga e autora de Contes de nuits et de jours aux Antilles Ina Césaire, propõe uma minuciosa reflexão do processo tradutório da oralidade predominante na literatura da Martinica performatizada em créole, língua adquirida informalmente, utilizada no espaço familiar, de característica oral e, portanto, desprestigiada, ao texto escrito em francês e, desta língua, vertida ao português brasileiro.
Ina Césaire, filha de Aimé Césaire, o grande poeta da negritude (autor do poema Diário de um retorno ao país natal, de 1939 e do ensaio Discurso sobre o colonialismo, de 1950, entre outros vigorosos textos) empreende um grande desafio ao transpor o texto oral e performático proferido em créole para o texto escrito em francês com todas as suas normas e especificidades. Encarregada da missão de conservação do patrimônio cultural da Martinica ligada ao Centro Nacional de Pesquisa Científica da França, produziu filmes etnográficos, peças de teatro e outros textos que destacam a importância da oralidade na cultura e na história do país. Os contos selecionados na compilação seguiram os critérios de análise do talento oratório do contador bem como o conto quanto ao seu significante sociológico, sendo identificados os nomes dos contadores, suas origens e os bairros aos quais pertencem. Trata-se, portanto, de um registro escrito da memória coletiva a partir do resgate da ancestralidade e da reafirmação do que preserva a tradição no país.
A reflexão sobre a tradução de Contes de nuits et de jours aux Antilles enriquece de forma especial a produção acadêmica no Instituto de Letras da UFRGS, abrindo espaço para debates centrados na oralitura, forma de expressão literária de povos que não tinham/têm a escrita como registro da memória. Está mais do que na hora de nos aproximarmos das narrativas do Caribe, local onde inicia a colonização das Américas e do qual pouco sabemos, talvez pela distância geográfica, talvez pelo receio de reconhecer a barbárie histórica do processo de conquista e de extermínio epistêmico tanto dos povos originários quanto dos que vieram como escravizados e que, infelizmente, permanecem excluídos do cânone literário. Conhecer o Caribe é (re)conhecer o Brasil.

Liliam Ramos da Silva
Professora de Literaturas de Língua Espanhola e Literatura Afro-Latino-Americana - UFRGS

Sobre a autora:
Samanta Siqueira é bacharela em Letras - Tradutor Português e Francês pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e atualmente cursa mestrado em Literatura, Sociedade e História da literatura pela mesma universidade. É pesquisadora de literaturas francófonas das Antilhas e professora de francês. O livro é resultado de seu Trabalho de Conclusão de Curso onde trabalhou com a obra “Contes des Jours et des Nuits aux Antilles” da escritora martinicana Ina Césaire. Seu projeto de mestrado segue a conversa com a Martinica, mas dessa vez trabalhando com o “encontro” da escritora brasileira Carolina Maria de Jesus com a escritora martinicana Françoise Ega.